Meditação sobre os Mistérios Gozosos

Visto 73 vezes

Da Irmã Lúcia de Jesus e do Imaculado Coração

 

Primeiro Mistério: A Encarnação do Filho de Deus

O Anjo anunciou a Maria e disse-lhe: “Não temas, Maria, porque encontraste graça junto de Deus; eis que conceberás no teu seio e darás à luz um filho, e tu o chamarás com o nome de Jesus”. Maria disse: “Eis aqui a escrava do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra!”. E o Anjo a deixou. (Lc 1,26-38) 

Meditação

O Anjo anuncia à Virgem Maria que Ela será a Mãe de Deus. A Virgem por ser a Imaculada Conceição e a Cheia de Graça, diz “Sim”, à vontade do Pai e concebe por obra do Espírito Santo, ao Verbo de Deus, que se encarna em suas entranhas puríssimas. Desta maneira, a Virgem é nosso modelo ideal e perfeito para receber a Comunhão Eucarística, assim como Maria acreditou com sua mente puríssima, na verdade, da Encarnação anunciada pelo Anjo, também nós, devemos crer sem nos aderir a doutrinas estranhas nem a superstições, no que se refere ao dogma da presença real de nosso Senhor Jesus Cristo na Eucaristia, pela Transubstanciação, produzido na Santa Missa no momento da consagração do pão e do vinho, pois depois da Consagração, já não há pão nem vinho, mas a substância do Corpo, Sangue, Alma e Divindade de nosso Senhor Jesus Cristo. Assim como a Virgem aderiu-se com todo o seu Coração Imaculado ao seu Filho, que se encarnava em suas entranhas, sem amar nada ou ninguém que não fosse seu Filho Deus, também nós, ao comungar, devemos ter um coração puro, que ama Jesus na Eucaristia e só a Ele; e se se ama às criaturas, que seja n’Ele e por Ele, e para Ele, e nada que não seja por Ele e para Ele. A Virgem concebeu Cristo em seu corpo puríssimo, porque não havia nenhuma intervenção de homem na Concepção de Jesus, da mesma forma, nosso corpo deve estar purificado pela penitência, mas, primeiro, pela confissão sacramental, para receber a Jesus Sacramentado, à imitação de Maria. Imaculada Conceição pedimos que nos ajude para que sempre Vos imitemos, que recebamos a vosso Filho Jesus na Eucaristia, com uma mente, um coração e um corpo puro, a vossa imitação, pela graça santificante.

Segundo Mistério: A Visitação de Nossa Senhora a sua prima Santa Isabel

Naqueles dias, Maria pôs-se a caminho para a região montanhosa, dirigindo-se apressadamente a uma cidade de Judá. Entrou na casa de Zacarias e saudou Isabel. Ora, quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança estremeceu no seu ventre e Isabel ficou repleta do Espírito Santo. (Lc 1,39-46) 

Meditação

A Virgem, grávida pela graça do Espírito Santo, empreende uma viagem longa e perigosa para socorrer a sua prima, Santa Isabel, que também está grávida. A visita da Virgem Maria causa alegria e gozo em Isabel e a João Batista, que salta de alegria no ventre de sua mãe, a razão da alegria de ambos, é a visita da Virgem que leva em seu ventre Jesus Cristo, Deus encarnado, o Redentor. Com sua visita, a Virgem nos ensina duas coisas: a trabalhar a misericórdia com os mais necessitados, e que sua presença maternal é sempre acompanhada da presença de seu Filho Jesus Cristo, Deus, nosso Senhor. Visitemos os doentes da nossa paróquia, especialmente aqueles que pertenciam às instituições paroquiais, e hoje encontram-se sozinhos e abandonados, visitemos com o amor e a alegria da Virgem e de Jesus.

Terceiro Mistério: O Nascimento do Filho de Deus no portal de Belém

O Anjo disse aos pastores: «eis que eu vos anuncio uma grande alegria, que será para todo o povo: Nasceu hoje na cidade de Davi, um Salvador, que é o Cristo Senhor. Isto vos servirá de sinal: encontrareis um recém-nascido envolto em faixas deitado numa manjedoura». De repente juntou-se ao anjo uma multidão do exército celeste a louvar a Deus dizendo: «Glória a Deus no mais alto dos céus e paz na terra aos homens por Ele amados! Quando os anjos os deixaram em direção ao Céu, os pastores disseram entre si: «Vamos a Belém e vejamos o que aconteceu, o que o Senhor nos deu a conhecer». Foram então às pressas, e encontraram Maria, José e o recém-nascido deitado na manjedoura. (Lc 2,11-16) 

Meditação

Jesus nasceu em um humilde portal de Belém. Um Deus de infinita Majestade; que os céus eternos não podem conter; porque tanta é sua grandeza, no qual anjos prostram suas testas em adoração; aquele Deus, nasceu como uma criança humana, em uma caverna esculpida na rocha, usada como abrigo para animais, numa noite fria e estrelada. Depois de ter nascido virginalmente, atravessando o abdômen superior da Virgem Maria, assim como o raio de luz do sol atravessa o cristal e o deixa intacto, antes durante e depois de atravessá-lo, um Anjo o recebe e dá a Maria, que o envolve em fraldas, cobre-o com o manto, embala-o nos braços, preenche-o com amor maternal e amamenta-o. Um Deus de infinita majestade, criador do universo visível e invisível, nasceu como uma criança desamparada, transido, tremendo de frio, chorando de fome, necessitada do amor e do abraço da Mãe, que acalma o desamparo que o bebê experimenta quando passa da segurança do útero para o mundo exterior. A Virgem trabalha piedosamente com seu Menino Jesus, que está desamparado e indefeso, alimentando-o, abrigando-o, cuidando d’Ele, e assim Ele nos dá um exemplo para que possamos trabalhar a misericórdia para com o próximo mais necessitado. Peçamos, neste mistério, à Virgem Imaculada, que, imitando-a, saibamos agir com misericórdia, para que “entesouremos tesouros no Céu”, de tal forma que, no dia de nossa morte, recebamos misericórdia de parte de Deus de infinita misericórdia. Amém. 

Quarto Mistério: A Apresentação do Menino Jesus no Templo e a Purificação de sua Santíssima Mãe

Quando se cumpriram os dias da purificação deles, segundo a lei de Moisés, levaram Jesus a Jerusalém para apresentá-lo ao Senhor, como está escrito na lei do Senhor. (Lc 2,22-40) 

Meditação

Aos poucos dias de seu nascimento, a Virgem e São José levaram ao Menino Deus ao Templo para o rito da Apresentação, rito pelo qual se consagravam os primogênitos a Deus. Em nossos dias, o ateísmo da sociedade materialista tem invadido numerosos fiéis, de maneira tal que perderam a noção do mistério sacramental e da Graça Santificante contida nos sacramentos, com isso, se pensa que os sacramentos ̶principalmente, Batismo, Primeira Comunhão, Crisma, e Matrimônio-, são meros eventos sociais, e não eventos salvíficos, nos quais, Jesus Cristo se faz presente com seu sacrifício redentor, para doar-nos a salvação. Os sacramentos, longe de ser meros eventos sociais, utilizados para “aparentar” e “aparecer” com um verniz de cristandade aos olhos dos homens, mas conservando um coração e costumes pagãos, são os “Canais da Graça”, por onde se atualiza e encaminha o sacrifício redentor de Jesus Cristo, graça que atuando na raiz mais profunda do ser metafisico do homem, lhe concede a participação na vida divina trinitária e o converte em filho adotivo de Deus. Peçamos à Virgem neste mistério, morrer ao homem velho, ao homem dominado pelas paixões, pela superstição, pelo erro, pela concupiscência, e nascer ao homem novo, e que seja Ela, a Imaculada Conceição, quem nos apresente, como crianças recém-nascidas, entre seus braços, a seu Filho Jesus, Deus nosso Senhor. 

Quinto Mistério: O Menino Jesus perdido e encontrado no Templo

Quando Jesus completou doze anos, subiram todos a festa segundo o costume; ao voltarem, passados àqueles dias, o Menino Jesus ficou em Jerusalém, sem que seus pais soubessem. Acreditando eles que estaria na caravana, fizeram um dia de caminho. Prontamente se puseram a procurá-lo entre os parentes e conhecidos; mas não o encontrando, voltaram a Jerusalém em sua procura. Aconteceu que depois de três dias, o encontraram no Templo, sentado no meio dos mestres, ouvindo-os e fazendo-lhes perguntas. (Lc 2,41-51) 

Meditação

Nosso Senhor, que tem doze anos, fica no Templo, respondendo às perguntas dos doutores e mestres da lei. Enquanto, a Virgem e São José empreendem o regresso a seu lar, de forma separada, pensando cada um que Jesus está com o outro. Após três dias, percebem a falta do Menino, com isso, regressam apressadamente a Jerusalém, pensando que Jesus está perdido.

 

Na realidade Jesus não está perdido em nenhum momento, há permanecido sempre, em todo momento, no Templo. Muitas vezes nos acontece o mesmo: caminhamos em direção contraria ao Templo, onde está Jesus, e o perdemos de vista, pensando que Jesus nos abandonou; muitas vezes somos nós que nos encaminhamos para onde não está Jesus, e por isso acreditamos que Jesus nos esqueceu. Perdemos de vista Jesus, mas, porque vamos na direção contrária de onde está Jesus: Jesus está no Templo; concretamente está no Sacrário, mas concretamente, está na Eucaristia. Não dirijamos nossos passos em direção contraria ao Templo; não dirijamos nossos passos em direção contraria ao Sacrário; não dirijamos nossos passos em direção contraria a Eucaristia; dirijamos nossos passos até onde está Jesus: Jesus está no Templo paroquial; Jesus está no Sacrário da paróquia; Jesus está na Eucaristia. Junto a Maria, que em Jerusalém se encontra com seu Filho Jesus no Templo, vamos também nós ao Templo paroquial, ao Sacrário, à Eucaristia, e façamos Adoração Eucarística: adoremos a nosso Deus na Eucaristia, que desceu do Céu para derramar seu amor inesgotável e incontrolável em nossos corações, nos corações de todos os que se aproximem d’Ele, na Eucaristia, com fé, com amor, e com um coração contrito e humilhado. Maria, Imaculada Conceição, Vos que encontrastes vosso Filho no Templo, levai-nos pela mão ao Templo, ao Sacrário, à adoração Eucarística, infundi-nos vosso mesmo amor pela Eucaristia, para que amando a teu Filho na Eucaristia, que ainda temos nesta vida terrena, continuemos amando ao Senhor por toda a eternidade, pelos séculos dos séculos, no Reino dos Céus. Amém. 

Se você gostou, compartilhe