O Padre Molina e São José

Visto 13 vezes

O Padre Rodrigo Molina também foi um grande devoto de São José. O  estimava muito, tanto que isso podia ser visto em suas cartas, em suas obras, nas palestras que dava ao longo de seus exercícios e retiros. E nas petições finais de cada conferência invocava o Espírito Santo, a Santíssima Virgem e São José.

Aqueles que o viram ficaram impressionados com sua grande devoção ao Santo Patriarca José, a Quem admirava muito por sua humildade, seu espírito de obediência, silêncio e abertura às vontades de Deus”. Acudia a sua poderosa intercessão em suas necessidades. Deu seu nome à grande escola que construiu em Cuzco: San José Obrero. E no final de sua vida o nomeou principal Padroeiro de sua Família Espiritual.

Entremos na mão do Padre Molina, na contemplação deste Homem justo segundo o Coração de Deus (Mt 1, 19), castíssimo Esposo da Virgem Maria, Pai virginal e Protetor de Jesus, o Filho de Deus.

Chefe responsável da Sagrada Família, expressão visível da Providência divina, colocamos hoje o que somos e temos sob a vossa bondosa e segura tutela, com a ilimitada confiança com que o próprio Pai Eterno vos confiou os seus tesouros mais preciosos: Jesus e Maria.

O Padre Molina foi subjugado por esse modelo do Justo Incondicional a Deus, puro compromisso de amar e servir, de defender e guardar Aquele que é a própria Vida.

“São José nos abençoe” era o pedido constante, diário e habitual do Pe. Molina.

 

Sigamos os escritos do P. Molina sobre São José:

São José é o destinatário da eleição definitiva, da nova aliança de Deus com o homem: “José, filho de Davi, não tenhas medo de receber Maria, em tua casa, a tua mulher, pois o que n’Ela foi gerado é do Espírito Santo: Ela dará à luz um Filho e tu o porás o nome de Jesus, porque Ele salvará o seu povo dos seus pecados… José… fez como o Anjo do Senhor lhe ordenou e recebeu consigo a sua mulher, que, sem que ele a conhecesse antes, deu à luz um Filho e deu-lhe o nome de Jesus” (Mt 1, 20…). 

Altíssimo encargo de Deus a São José! Confiança ilimitada depositada por Deus em São José! Deus confiou a São José os seus tesouros mais preciosos, Jesus e Maria. Esta conduta de Deus pressupõe que Deus tem um conceito muito elevado de José, que o escolhe para uma missão única e muito especial e que concede graças excepcionais para este fim sobre todas as outras graças dadas aos homens.

Pai e esposo virginal

São José, Santo Patriarca, deu seu “fiat” incondicional a Deus, que o escolheu como pai virginal e protetor de seu Filho. É o serviço que Deus quis de José para iniciar o mistério da salvação do mundo. São José abriu a porta a Deus para que Jesus pudesse entrar no mundo de acordo com o plano que o Pai tinha. 

Santa Maria, Esposa de José, é destinada por Deus a ser Mãe de seu único Filho, com o mesmo decreto com que Jesus está destinado a ser Filho de Deus Salvador. Então José também é destinado por Deus neste mesmo decreto à formação de seu Filho para o Salvador Redentor. Isso parece ser assim dada a união íntima desejada por Deus nos cônjuges (= “e os dois serão uma só carne”) e o domínio que Deus deu ao Esposo sobre a Esposa no Antigo Testamento e o destino da esposa como uma ajuda adequada ao esposo. São José deu seu matrimônio a Deus, em completa abnegação de si mesmo, para a introdução de seu Filho no mundo. São José, com pleno direito legal, colocou o nome de Jesus no Verbo Encarnado. Grande é, portanto, o seu mérito, grande é a sua dignidade! 

Homem justo e humilde

José secundou a vocação particular para a qual Deus o chamou. Ele enxertou seus pensamentos, seus planos, nos pensamentos e planos de Deus. Se eu seguir a vocação para a qual sou chamado por Deus, Deus fará grandes coisas através de mim. A primeira coisa que devo fazer é aprender a conhecer a vontade de Deus, intui-la e compreendê-la.

Não devo ser indiferente, descuidado, insensível à presença do mal no mundo. Devo ser generoso na oferta para remediar o mal, para ansiar por coisas grandes, esforçadas, sublimes para a causa do bem.

O evangelista São João 12:25 coloca estas palavras nos lábios de Jesus: “Quem sacrifica a sua vida por mim neste mundo, preserva-a para a vida eterna”. São José é aquele em cuja vida estas palavras foram plenamente cumpridas. Ele é o tipo do evangelho, o modelo do homem humilde. O humilde que, diante da vontade de Deus, soube recusar, soube aceitar o apagamento de si mesmo por Jesus e Maria. São José, aos olhos de seus contemporâneos, era mais um. Mas, aos olhos de Deus, diz a Sagrada Escritura que “era um homem justo”.

Esse “homem justo” é o modelo mais acabado do verbo “desaparecer”. Sua vida estava oculta em Deus. Sua vida se baseava no comum, no simples, no cotidiano. Ele viveu no cumprimento fiel e exato de seus deveres diários. Não fez nenhum outro apostolado. Sabe o que foi o apostolado de São José? Amar. Amar muito. 

São José bendito, que o vosso amor paternal também defenda e proteja a nossa vida agitada! Olhai-nos do céu e fazei-nos semelhantes a Vós!

Se você gostou, compartilhe